História, Geografia e Modo de vida

Sumário da história da Noruega

Vikingskip

A Era Viking

Denomina-se como Era Viking o período entre os anos 800 e 1050 depois de Cristo. No início da Era Viking, a Noruega não era um país mas um conjunto de territórios cada um com o seu Rei. No ano de 872, o líder Viking Harald Hårfagre foi proclamado Rei da Noruega. Foram muitos os Vikings que viajaram para outros países. Alguns eram comerciantes que compravam e vendiam mercadorias, outros eram guerreiros que pilhavam e massacravam. Hoje quando se fala dos Vikings refere-se sempre nos guerreiros. O Cristianismo foi introduzido na Noruega no século XI. O Cristianismo substuiu o antigo culto dos Deuses nórdicos. Borgund stavkirke

A união entre a Dinamarca e a Noruega

No decorrer do século XIV a Dinamarca exerceu cada vez mais influência sobre a Noruega e a partir de 1397 a Noruega tornou-se um membro oficial da União com a Dinamarca e a Suécia. A União tinha um Rei comum. A Suécia afastou-se gradualmente dessa União, mas entre a Dinamarca e a Noruega a União prevaleceu até 1814. A Copenhagem era o centro administrativo e cultural da União e os norueguêses liam e escreviam a língua dinamarquêsa. Os agricultores norueguêses pagavam impostos ao rei na Copenhagem.

Dissolução da União e nova União

Eidsvoll 1814 - © Stortingsarkivet/ foto: Teigens fotoatelier as O ano de1814 é um ano importante na história da Noruega. Aos 17 de Maio deste ano a Noruega obteve a sua própria Constituição. No início do século XIX houve várias guerras na Europa. Uma delas foi a guerra entre a Inglaterra e a França. A União Dinamarca –Noruega era aliada da França e ficando a França derrotada o Rei Dinamarquês foi obrigado a conceder a Noruega à Suécia que tinha estado em aliança com a Inglaterra. A união entre a Dinamarca e a Noruega foi dissolvida em 1814. Após a dissolução da união, havia um grande desejo de independência entre os noruegueses. Um grupo de cidadãos poderosos reuniu-se em Eidsvoll no distrito de Akershus com o objectivo de elaborar a Constituição para uma Noruega independente. No entanto, o país foi obrigado a uma união com a Suécia que foi instituída em Novembro de 1814. A união com a Suécia não era tão rígida como a anterior com a Dinamarca. A Noruega manteu a sua própria Constituição com algumas alterações e obteve também autonomia política interna. A política externa era dirigida pela Suécia e o Rei de ambos países era sueco. O edifício de Eidsvoll na actualidade

O Nacionalismo Romântico e a identidade norueguêsa

Brudeferd i Hardanger (Hans Gude & Adolph Tidemand, © Nasjonalmuseet for kunst, arkitektur og design) Em meados do século XIX desenvolveu-se na Europa um movimento de arte e cultura denominado o Nacionalismo Romântico. O Nacionalismo Romântico era caracterizado pelo realce, engrandecimento e embelezamento das peculiaridades nacionais. Na Noruega realçou-se especialmente a paisagem natural e a sociedade rural como «o típico norueguês». O Nacionalismo Romântico ganhou expressão tanto na literatura como na pintura e na música. Os norueguêses tornaram-se mais conscientes da sua identidade nacional nessa época desenvolvendo assim o orgulho de ser norueguês. Isto resultou no desejo de ascender à independência. Após vários séculos de união com a Dinamarca a língua dinamarquêsa era a língua escrita. A actual língua escrita “bokmål” é desenvolvida a partir do dinamarquês. Na época de Nacionalismo Romântico havia a opinião de que os norueguêses deveriam ter uma própria língua escrita sem influências do dinamarquês. Por isso,o filólogo Ivar Aasen (1813-1896) viajou por muitos cantos do país recolhendo elementos de diferentes dialectos. Dessa recolha criou uma nova língua escrita, o “nynorsk”. Tanto o “nynorsk” como o “bokmål” sofreram alterações desde do século XIX. Contudo, a Noruega mantém duas línguas oficiais e também a língua sami e a língua kven.

Industrialização da Noruega

Operários em 1880, (Oslo Museum, fotograf: Per Adolf Thorén) Em meados do século XIX, setenta por cento da população norueguêsa vivia em zonas rurais. Viviam na sua maioria da agricultura e da pesca e a vida era difícil para muitos. A população aumentou e não havia campos de cultivo ou trabalho suficiente para todos. Ao mesmo tempo surgiram mudanças nas cidades. Construiu-se mais fábricas, muitas pessoas mudaram-se dos meios rurais para as cidades à procura de trabalho. A vida na cidade era difícil para muitas famílias operárias. O horário de trabalho era longo e as condições de habitação eram péssimas. As famílias tinham muitos filhos e era habitual que muitas famílias vivessem juntos num pequeno apartamento. Muitas crianças eram também obrigadas a trabalhar nas fábricas para que a família sobrevivesse. Muitos aventuraram-se no estrangeiro e, no período entre 1850 e 1920, emigraram mais de 800 000 norueguêses para a América.

Um país livre e independente

Em 1905 foi dissolvida a União com a Suécia. Por longo tempo tinham havido divergências entre a Assembleia Nacional Norueguêsa e o Rei na Suécia. No princípio do século XX havia uma maioria que alegava a ideia de que a Noruega deveria ser livre e independente. Aos 7 de Junho de 1905, a Assembleia Nacional declarou que o Rei Sueco já não era Rei da Noruega e, consequentemente, a União com a Suécia foi dissolvida. As reacções da Suécia foram violentas dando quase origem a uma guerra entre os dois países. Através de dois referendos feitos no mesmo ano, a dissolução da União foi confirmada e determinou-se que o novo estado, a Noruega, seria uma Monarquia. O príncipe dinamarquês Carl foi proclamado o novo Rei da Noruega. Ele adoptou o título de Rei Haakon. O Rei Haakon VII reinou a Noruega de 1905 até à sua morte em 1957.

A primeira metade do século XX

Barragem hidroeléctrica Nos finais do século XIX a Noruega começou a aproveitar a energia hidráulica para a produção de electricidade. Com este desenvolvimento construiu-se mais fábricas o que implicou um aumento da necessidade de mão de obra e um crescimento contínuo das cidades. Uma nova legislação garantiu que as centrais hidroeléctricas fossem construídas por empresários privados mas que os recursos hídricos permaneceriam bens estatais. Entre os anos de 1914 e 1918 ocorreu a Primeira Guerra Mundial. Apesar da Noruega não ter uma posição activa nesta guerra, fizeram-se sentir consequências económicas. Nos anos trinta surgiu a crise económica na Europa e na América do Norte. Pessoas perderam emprego e habitações. Apesar da situação na Noruega não ter sido tão grave como noutros países, estes anos ficaram conhecidos como “os duros anos trinta”.

A Segunda Guerra Mundial 1939/1940-1945

A Assembleia Nacional norueguesa (Stortinget) com um cartaz alemão  1940-1945(Museu de Oslo, fotógrafo desconhecido) A Segunda Guerra Mundial começou em Setembro de 1939 quando a Alemanha invadiu a Polónia. A Noruega foi ocupada por tropas alemãs aos 9 de Abril de 1940. O confronto com as tropas alemãs duraram alguns dias mas a Noruega acabou por capitular. O Rei e o Governo refugiaram-se em Inglaterra deonde continuaram a luta por uma Noruega livre. A Noruega foi então governada por Vidkun Quisling com um governo pró-Alamanha e que não foi eleito de forma democrática. Apesar de não ter acontecido muitos confrontos directos no território norueguês, haviam vários grupos de resistência que participaram em sabotagens, publicavam jornais clandestinos e organizavam desobediência civil e resistência passiva contra o Governo. Muitos dos que fizeram parte destes grupos de resistência tiveram que fugir do país. Aproximadamente 50 000 norueguêses refugiaram-se na Suécia durante a Segunda Guerra Mundial. Gradualmente os alemães foram perdendo a guerra em várias frentes e, em Maio de 1945, tiveram de capitular. Cerca de 9500 norueguêses morreram na guerra.

A Noruega em tempos modernos

En oljeplattform Após a guerra era necessário reconstruir o país. Havia escassez enorme de produtos e não havia habitação para todos. O cooperativismo e a solidariedade foram necessárias para que a reconstrução fosse mais rápida. O Estado regulou a economia e o consumo de forma rigorosa. Logo após o final da Segunda Guerra Mundial foi fundada a Organização das Nações Unidas (ONU). O objectivo principal da ONU é de lutar pela paz e pela justiça no mundo. A Noruega foi um dos primeiros países a aderir à ONU em novembro de 1945. Depois da guerra os Estados Unidos da América ofereceram ajuda económica aos países europeus. Esta ajuda económica ficou conhecida como o Plano Marshall. O plano impunha condições económicas e políticas aos países beneficiários. A Noruega recebeu ajuda num montante de três bilhões de coroas. Em 1949 a Noruega assinou juntamente com onze países o tratado do Atlântico Norte. Este tratado conduziu à criação da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). Esta relação estreita entre países da Europa Ocidental e os Estados Unidos mantém-se. Nas décadas de 1950 e 1960 a economia norueguêsa era relativamente boa e o estado introduziu muitas reformas que criaram benefícios aos cidadãos. Na década de 1960 várias companhias interessaram-se em explorar petróleo e gás no litoral da Noruega. Manteve-se a mesma posição à cinquenta anos atrás relativamente aos recursos hídricos. Os recursos petrolíferos mantiveram como bens estatais, mas empresas privadas compraram o direito da prospecção, perfuração e extracção de petróleo e gás num período limitado, em determinadas zonas. Pela primeira vez, em 1969, foi descoberto petróleo no Mar do Norte e daí a Noruega tornou-se uma nação petrolífera. Actualmente a Noruega é um dos países que exporta mais petróleo e a indústria petrolífera tem um enorme significado na economia norueguêsa. A mobilização de massas, baseadas nas organizações sindicais e organizações da mulher, teve grande significado no desenvolvimento duma Noruega moderna. As organizações sindicais na Noruega apareceram no século XVII mas organizaram-se melhor na década de 1880 com o aumento do sector industrial. A partir da década de 1920 estas organizações ganharam mais terreno. Essas organizações lutaram para melhorar as condições dos trabalhadores como a redução dos horários de trabalho, melhor segurança no trabalho, seguros de saúde e direito ao subsídio de desemprego. As organizações da mulher lutaram pelos direitos da mulher como a igualdade de género e pela igualdade de oportunidades entre homens e mulheres. Também lutaram pelo direito ao divórcio, o direito ao acesso à contracepção, o direito ao aborto e o direito da mulher ter inteira autonomia e integridade. Actualmente há igualdade de direitos entre o homem e a mulher em matérias de ensino, trabalho, propriedade, herança, medicação e saúde.

 

Factos

A Noruega actual

A Noruega actual é uma democracia moderna com um alto nível de bem-estar. A maioria das pessoas na Noruega tem boas possibilidades económicas e a população tem uma formação escolar elevada. Tanto mulheres como homens participam na vida active.
A sociedade é regulada por um número de leis e acordos que asseguram aos cidadãos o ensino, assistência de saúde e ajuda económica conforme as necessidades.

Na última década tem havido um rápido desenvolvimento no sector da tecnologia e informática. Este é significativo para a sociedade norueguesa. Cria mais postos de trabalho, as actividades profissionais modificam-se e a vida privada das pessoas altera-se também.

Nas últimas décadas a Noruega tornou-se uma sociedade multicultural e de diversidade.

 

Exercícios